Homoerotismo no Principado Romano e o polêmico trabalho com gênero na educação básica: uma proposta de material didático

Dandara Perlin Pereira, Henrique Hamester Pause

Resumo


Os estudos sobre questões de gênero e “sexualidade” no Império Romano têm crescido nas pesquisas atuais das universidades brasileiras. No entanto, o assunto ainda apresenta inúmeras barreiras para se chegar às escolas de Educação Básica. O objetivo deste artigo é apresentar aspectos sobre esta temática, propondo uma de abordagem em sala de aula, direcionada aos/às professores/as do Ensino Básico, acompanhado por leituras acadêmicas que podem atualizar o/a professor. Para isso, foi realizado um estudo historiográfico sobre aspectos centrais em relação à construção da masculinidade e o homoerotismo entre homens no período do Principado Romano e proposto um capítulo didático sobre a Sociedade Romana do período do Principado, incorporando questões de gênero em meio à apresentação de aspectos sociais.

Referências


a) Documentação

JUVENAL. Sátiras. Tradução de Francisco Antônio Martins Bastos. São Paulo: Ediouro, s/d.

MARCIAL. Epigrafias (Livros 1, 2, 3 e 4). Tradução, introdução e notas de José Guillén. 2003. Disponível em:. Acesso em: 26/01/2016.

b) Obras gerais

COSTA, J. F. A inocência e o vício: estudos sobre o homoerotismo. 2º edição, Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

FEITOSA, L. C. Amor e sexualidade: o masculino e o feminino em grafites de Pompéia. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2005.

______. SILVA, G. J. da. O mundo antigo sob lentes contemporâneas. In: FUNARI, P. P; SILVA, M. A. de. O. (Orgs.). Politica e identidades no mundo antigo. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2009, p.98-118.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: a vontade de saber. Vol. I. Rio de Janeiro. Edições Graal, 1999.

______. História da Sexualidade: o uso dos prazeres. Vol. II. Rio de Janeiro. Edições Graal, 2010.

______. História da Sexualidade: o cuidado de si. Vol. III. Rio de Janeiro. Edições Graal, 2009.

GEERTZ, C. Uma descrição densa: Por uma teoria interpretativa da cultura. In: _____. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008, p. 13-41.

______. Um jogo absorvente: Notas sobre a briga de galos balinesa. In: _____. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008, p. 278-321. 23.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica/UFOP, 2012.

NASCIMENTO, D.; MEDEIROS, A.. Antinoo: quando o amor transborda sob a forma de arte... [S.l.]: [s.d.], p.17-26. Disponível em: . Acesso em 5 jan. 2018.

RIBEIRO JR., B. I. Para além da heteronormatividade: uma análise dos eunucos representados por Estácio, Marcial e Suetônio (Roma, 80-121 d. C.). Dissertação de Mestrado defendida na UNESP/Assis, 2016.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica, Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 20, n. 2, jul./dez. 1995.

THUILLIER, J-P. Virilidades romanas: vir, virilitas, virtus. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jaques; VIGARELLO, Georges. História da virilidade. Tradução de Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2013, v.1, p.73-124.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

Editor-gerente: Prof. Dr. Rafael da Costa Campos (Unipampa)

Editores: Prof. Dr. Dominique Vieira Coelho dos Santos (FURB); Profa. Dra. Lyvia Vasconcelos Baptista (UFRN); Profa. Dra. Semíramis Corsi Silva (UFSM)

Submissão: fluxo contínuo

Publicação: semestral

Endereços importantes:

Grupo de Trabalho de História Antiga (Regional Rio Grande do Sul) da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://gthars.wordpress.com/

Grupo de Trabalho de História Antiga da Associação Nacional de Professores Universitários de História: http://www.gtantiga.com/

Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos: http://www.classica.org.br/

Associação Brasileira de Estudos Medievais: http://www.abrem.org.br/